Virgínia

by

femme fatale b(por calcinha exocet)

Virgínia era uma mulher extremamente sexy, usava vestidos justos para definir sua silhueta e ressaltar seus seios. Quando passava de uma sala à outra não havia quem não olhasse para ela. As mulheres do escritório estavam sempre observando o seu modo de se vestir. Tudo nela era envolvente. Todas queriam saber qual perfume, qual hidratante usava. Pediam dicas de moda, maquiagem e acessórios. Virgínia era O Modelo de mulher bonita, inteligente e sexy.

Já os homens do escritório sonhavam com ela, imaginavam cenas tórridas de sexo ali mesmo no escritório. Eles a chamavam de Deusa: Como está minha Deusa hoje? O que minha Deusa quer?

O que mais intrigava os colegas de trabalho era ver Virgínia sempre sozinha. Não entendiam como uma mulher tão linda poderia estar sem namorado. Ela, nos raros momentos que saiu com o pessoal de trabalho, não levara acompanhante e quando uma colega mais entrona perguntava se estava com alguém interessante, respondia:

– Estou muito bem!

Ela, na maioria das vezes, saía do trabalho e ia direto para seu pequeno apartamento. Ao chegar, acariciava o gato Sarkozi e tomava um banho demorado. Escolhia um livro para ler e se jogava sobre a poltrona, nua. Ali ficava algumas horas lendo e quando sentia fome ia à cozinha criar um prato rápido. Alimentava Sarkozi e depois ia dormir. Nos fins de semana, ela gostava de ir ao parque caminhar e tomar sol. Em seu trajeto, muitos homens jovens e musculosos torciam o pescoço para vê-la passar. Alguns mais ousados puxavam assunto, mas ela não dava muito papo.

Virgínia era um mistério. Todos queriam saber da sua vida, os vizinhos, os comerciantes locais, os porteiros, os colegas de trabalho. No escritório, os homens fizeram uma aposta em dinheiro, lançando o seguinte desafio: qual deles conseguiria dobrar essa mulher.

Um deles teve a ideia de enviar um buquê de flores anônimo, achando que assim poderia despertar alguma curiosidade nela; outro quis ser romântico, convidando-a para jantar; outro, ainda, investiu diretamente, perguntando se gostaria de ir ao motel. E, para surpresa de todos, ela escolheu o que foi direto.

Quando chegaram ao motel, Virgínia disse que tinha uma surpresinha para o colega. Ele estava tão ansioso por aquele momento que disse:

– Minha Deusa, não precisa de surpresa nenhuma. Só de estar aqui com você… não poderia ser surpresa melhor! Na verdade, eu nem acredito!

E foi investindo sobre ela. Ela, espertamente, se esquivou e disse:

– Calma garanhão! Vamos tomar um espumante antes. Assim a minha surpresa tem tempo para chegar.

Ele conseguiu se controlar e tomou o espumante sem dizer uma palavra. Por sua cabeça passava cenas quentes e loucas com aquela mulher.

De repente, bateram à porta. Virgínia já em trajes pequenos foi abrí-la. E… Entraram um homem forte e negro acompanhado de uma mulher nissei.

Seu colega de trabalho ficou meio perdido com a presença daquelas pessoas e perguntou à Virgínia o que significava aquilo. Ela disse que o casal estava lá para dar prazer aos dois. E essa era a surpresa.

Ele resolveu aceitar, afinal não negaria prazer à sua Deusa. Bebeu mais e mais, conversou com o casal, riu, contou piadas… Ficou alegrinho. Ele só não sabia que era o prato principal. Quando percebeu a emboscada já era tarde demais. Virgínia participou olhando, era uma voyeur nata.

Tags: , , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: