Archive for novembro \29\UTC 2009

Bacalhau ao vinho

novembro 29, 2009

(por calcinha exocet)

Gente, vai chegando fim de ano e a gente começa a se preocupar com a forma porque não tem quem não engorde com tanta comida boa das festas de Natal e Ano Novo! Prometi ao meu médico que iria comer folhas até o Natal porque meu colesterol estava alto. Já quebrei a promessa com essa receita de hoje!

Ingredientes:

1 kg de bacalhau;

1 copo de vinho branco seco;

5 colheres de sopa de maionese;

4 colheres de sopa de azeite de oliva;

4 colheres de sopa de picles picados;

2 cenouras cozidas;

1 pimentão vermelho; e

2 dentes de alho.

Modo de preparo:

Deixar o bacalhau de molho na véspera, trocando a água várias vezes. Aferventar e desfiar. Colocar o bacalhau numa travessa refratária, regar com azeite e vinho. Espalhar o alho, pimentão, cenoura e picles picados. Cobrir com maionese e com colheradas de purê de batata. Levar ao forno quente por 20 minutos.

Purê de batatas

1/2 kg de batatas;

1/2 copo de leite;

1 colher de manteiga; e

Sal e pimenta a gosto.

Modo de preparo: Cozinhar as batatas, passar no espremedor, misturar com o leite, a manteiga, sal e pimenta.

Se fosse só o prato, mas tem o vinho que acompanha o prato, a sobremesa, o cafezinho… Ah, vou assistir ao filme Julie e Julia, quem sabe o filme me inspire e eu dê uma mudada na minha vida…

Anúncios

Beijos loucos, gritos roucos

novembro 26, 2009

(por calcinha exocet)

A quadra era nova, os prédios ao lado tinham pouquíssimos moradores. Em nosso prédio, eu e meu namorado éramos os primeiros. A Encol estava em concordata na época e tivemos que recorrer ao Judiciário para conseguirmos  entrar em nosso apartamento. Fomos os primeiros moradores! E havia um silêncio tão assustador que se uma colher caísse no chão, o seu som reverberava por toda a rua.

Então…. Em uma madrugada, fomos acordados por sons de uma mulher gritando desvairadamente: ai, vai, vai, isso, isso! Oh, meu Deus! Isso, isso, assim, assim. UUUUUUUUUUUh e AAAAAAAAh!! Difícil reproduzir os sons com palavras! O homem que estava com ela também gemia, só que mais baixo. Parecia que vinha do prédio à frente! Mas não dava para saber de onde realmente viam os gemidos.

Lembrou-me a canção ” Valsinha”, de Chico Buarque:

“….E foram tantos beijos loucos, tantos gritos roucos como não se ouvia mais
Que o mundo compreendeu
E o dia amanheceu
Em paz”.

Paz, que nada! Aquela madrugada nos presenteou com muita imaginação. No dia seguinte, eu e meu namorado estávamos curiosíssimos pensando em quem seria aquele casal. Aliás, não só a gente. Pessoas de outros prédios ouviram os gemidos e também estavam curiosas para saber quem eram os envolvidos, ou melhor, os envolventes. Todo mundo que saía cedo para o trabalho e encontrava algum casal olhava e dava um sorrizinho sacana.

Meu namorado ficou maravilhado com os gemidos da mulher, eram realmente empolgantes. Eu, por outro lado, confessei meu interesse no homem.  Que homem era aquele?  E que competência!

Dia Internacional Da Não-Violência Contra A Mulher

novembro 25, 2009

Hoje é o dia internacional da não-violência contra a mulher. Agredir uma mulher, é agredir todas as mulheres!

Mais informações clique aqui e aqui também!

Florbela Espanca: “… e não haver gestos novos nem palavras novas”.

novembro 23, 2009

(por calcinha exocet)

Quem já ouviu Raimundo Fagner cantando um poema de Florbela, Fanatismo?

“Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida

Meus olhos andam cegos de te ver

Não és sequer a razão do meu viver

Pois que tu és já toda a minha vida

Não vejo nada assim enlouquecida

Passo no mundo, meu amor, a ler

O misterioso livro do seu ser

A mesma história tantas vezes lida

Tudo no mundo é frágil, tudo passa

Quando me dizem isto, toda a graça

Duma boca divina fala em mim

E, olhos postos em ti, digo de rastros:

‘Ah! Podem voar mundos, morrer astros,

Que tu és como um Deus, princípio e fim!…”

Essa poetisa portuguesa, nasceu em 8 de dezembro de 1894, em Vila Viçosa (Alentejo). Casou-se três vezes e morreu jovem, aos 36 anos. Seu primeiro casamento foi aos 19 anos, com Alberto Moutinho, um colega de estudos. Devido às dificuldades financeiras, ela e seu marido saem de Redondo, em 1915, e vão morar com o pai, João Maria Espanca, em Évora. Alberto Moutinho tem um caso com a empregada da casa, Henriqueta de Almeida, e, então, divorcia-se de Florbela.

Em 1916, volta a Redondo e reúne uma seleção de sua produção de 1915, inaugura o projeto Trocando Olhares, coletânea de 88 poemas e 3 contos. “O caderno que deu origem ao projeto encontra-se na Biblioteca Nacional de Lisboa, contendo uma profusão de poemas, rabiscos e anotações que seriam mais tarde ponto de partida para duas antologias, onde os poemas já devidamente esclarecidos e emendados comporão o Livro de Mágoas e o Livro de Soror Saudade.”  Fonte

Casa-se novamente, em 1921, com um oficial de artilharia, António Guimarães. Depois de sofrer dois abortos espontâneos, seu casamento termina pela segunda vez e sua família deixa de falar com ela. Essa nova situação a abala muito e sua saúde física e psicológica começa a dar sinais de fragilidade. Em 1925, em Matosinhos, casa-se pela terceira vez com o médico Mário Laje. Em 1927, perde o irmão, Apeles Espanca, num grave acidente de avião. A morte do irmão, mais um drama em sua vida, a afeta psicologicamente.

Em 2 de dezembro de 1930, Florbela encerra seu Diário do Último Ano com a seguinte frase: “… e não haver gestos novos nem palavras novas”. Às duas horas do dia 8 de dezembro de 1930 , no dia de seu aniversário, Florbela Espanca suicida-se, em Matosinhos, ingerindo dois frascos de Veronal. Postumamente, foram publicadas as obras Charneca em Flor (1930), Cartas de Florbela Espanca (1930), Juvenília (1930), As Marcas do Destino (1931, contos), Cartas de Florbela Espanca (1949) e Diário Do Último Ano Seguido De um Poema Sem Título (1981).

Florbela Espanca teve um frio acolhimento em vida, a crítica da época não entendeu sua poesia. Esta caracteriza-se pela recorrência dos temas do sofrimento, da solidão, do desencanto, somados a uma imensa ternura e a um desejo de felicidade e plenitude. Sua linguagem é  intensamente passional, centrada nas suas próprias frustrações e anseios. Seus versos estão também carregados de erotismo: “Olhos a arder em êxtase de amor,/ Boca a saber a sol, a fruto, a mel/ Sou a charneca rude a abrir em flor!”. Florbela tornou-se uma grande personalidade feminina nas primeiras décadas da literatura portuguesa do século XX.

Quem gosta de tapas?

novembro 17, 2009

(por calcinha de passagem)

Leitoras queridas,

Vamos conversar sobre particularidades… Esse é um espaço para falarmos de qualquer coisa e por que não de intimidades? Vejam bem, confesso que sou tímida para falar de sexo, o que me ajuda aqui é a não identificação. Esse blog tem a seguinte política, quem quiser pode se identificar, mas todas as meninas preferem usar um pseudônimo.

Nesse post quero falar sobre tapinhas na hora do sexo, hum… um tema bem íntimo. Um tapinha no rosto de vez em quando é maravilhoso, relaxa, tira alguma tensão ou ansiedade inicial. Estou falando de um tapinha leve, com pouca intensidade. O parceiro que gosta de dar uns tapinhas na hora do sexo tem que ter em mente que deve ser leve e, dessa forma, controlar a força que tem em sua mão.

Acho que ter intimidade com a pessoa ajuda bastante. Não sei se a maioria dos casais conversam sobre o que gostam ou não na cama, se não conversam nem antes do ato nem depois, seria bom começarem a falar. Essa comunicação abre espaço para cumplicidade e confiança. Conhecer o outro intimamente é fundamental para quem quer ter uma relação duradoura. E é claro que se a gente não gostar das idiossincrasias do outro, temos, ao menos, a chance de cair fora da relação.

Sei que encontrar alguém que combine com a gente é muito difícil. Nós, seres humanos, somos muito complexos.  Encontrar alguém que esteja em perfeita sintonia com a gente é como tentar encontrar uma agulha no palheiro. Posso ouvir um coro de vozes dizendo: ah, encontrei a pessoa ideal para mim! Penso que no começo do relacionamento, principalmente, quando estamos apaixonados, temos a certeza de que encontramos a pessoa certa. Somente com o tempo aparecem as diferenças… E estas podem ser relevantes ou não.

Voltemos aos tapinhas… Eu, por exemplo, gosto! O sexo fica muito bom e já tive orgasmos fantásticos desse modo. Contei, pronto!

Cozido Vegetariano

novembro 14, 2009

Vegetais( por calcinha exocet)

Há um tempo atrás comi esse cozido na casa da minha amiga calcinha romântica e adorei. É um cozido vegetariano! Calcinha romântica tem um talento natural na cozinha. Também tive a oportunidade de comer um peixe antes de ela tornar-se vegetariana.  O peixe também estava uma delícia! Eis a receita do cozido:

Cozido de Espinafre, Tomate, Berinjela e Grão-de-Bico

Esta combinação vegetal suculenta é famosa no Norte da Índia e é um destaque em muitos menus dos Festivais de Domingo dos Hare Krishna.

Tempo de preparo: 30 a 40 minutos.

Rendimento: suficiente para 6 a 8 pessoas.

Ingredientes:

1/4 xícara (60 ml) de ghi ou óleo;

1 colher de sopa (20 ml) de gengibre fresco ralado;

2 pimentas malaguetas, sem sementes e picadas;

1 colher de chá ( 5 ml) de sementes de cominho;

1/2 colher de chá (2 ml) de sementes de mostarda;

10 folhas de curry secas;

1/4 colher de chá ( 1 ml) de assafétida amarela em pó;

1 berinjela média, lavada e cortada em cubos de 1,25 cm;

4 tomates médios, descascados e cortados em cubos de 1,25 cm;

450 g de espinafre fresco, lavado e cortado

1 colher de chá (5 ml) de cúrcuma;

1 1/2 colher de chá ( 7ml) de sal;

2 xícaras (500 ml) de grão-de-bico cozido e escorrido;

1 1/2 colher de chá (7ml) de açúcar mascavo;

1 colher de chá (5ml) de suco de limão.

Modo de preparo

Aqueça o ghi ou óleo em uma panela com capacidade para 4 litros, em fogo médio. Quando o ghi estiver quente, adicione o gengibre, as pimentas, as sementes de cominho e as sementes de mostarda. Quando as sementes de mostarda crepitarem, adicione as folhas de curry, a assafétida em pó e a berinjela em cubos. Mexa fritando a berinjela de 8 a 10 m ou até que fique um pouco macia.

Misture os tomates, o espinafre, a cúrcuma e o sal. Cubra parcialmente e cozinhe em fogo baixo. Cozinhe até que a berinjela fique macia e o espinafre diminua de tamanho, mexendo quando necessário. Adicione o grão-de-bico cozido e cozinhe por mais 5 minutos. Se quiser um prato mais úmido e com textura mais firme, adicione o açúcar mascavo e o suco de limão agora. Se não, cozinhe até que os vegetais fiquem com aparência de purê. Retire do fogo e sirva quente.

Fonte: DAS, Kurma. 108 delícias da culinária vegetariana. Trad. Eveline Dias, 3ª edição, 2008.

A voz de Cássia Eller

novembro 12, 2009


cassiaCássia Rejane Eller nasceu no Rio de Janeiro, no dia 10 de dezembro de 1962.

Com um timbre de voz grave, por opção, pois não era limitada a este tom, e com ecletismo musical, interpretou canções de grandes compositores do rock brasileiro, como Cazuza e Renato Russo, além de artistas da MPB como Caetano Veloso e Chico Buarque, passando pelo pop de Nando Reis e o incomum de Arrigo Barnabé e Wally Salomão, até sambas de Riachão e rocks clássicos de Jimi Hendrix, Mutantes, Beatles e Nirvana.

Teve uma trajetória musical bastante variada, porém curta, com algo em torno de dez álbuns próprios no decorrer de doze anos de carreira. Despontou no mundo artístico em Brasília, em 1981, ao participar de um espetáculo de Oswaldo Montenegro. Nesse mesmo período, apresentava-se também como cantora de um grupo de forró, fez parte (durante dois anos) do primeiro trio-elétrico de Brasília, denominado Massa Real, trabalhou na Capital Nacional cantando e tocando em vários bares – um deles era o Bom Demais.

Sua versatilidade artística era ainda mais abrangente: cantou ópera, tocou surdo em um grupo de samba. Contudo, apenas em 1989 sua carreira decolou. Cássia, ajudada por um tio seu, gravou uma fita demo com a música “Por enquanto” da autoria de Renato Russo. Este mesmo tio levou a fita à PolyGram, resultando na contratação de Cássia pela gravadora e sua primeira participação em disco foi em 1990, no LP de Wagner Tiso intitulado “Baobab”.

Cássia Eller sempre teve uma presença de palco bastante intensa, assumia a preferência por álbuns gravados ao vivo e ela era convidada constantemente para participações especiais e interpretações sob encomendada, singulares, personalizadas.

Outra característica importante é o fato de ela ter assumido uma postura de intérprete declarada, tendo composto apenas três canções das que gravou: “Lullaby” (parceria com Márcio Faraco) em seu primeiro disco chamado Cássia Eller (1990 – LP / vendagem: 60.000 cópias, devida ao sucesso da faixa “Por Enquanto” de Renato Russo), “Eles” (dela com Luiz Pinheiro e Tavinho Fialho) e “O Marginal” (autoria dela com Hermelino Neder, Luiz Pinheiro e Zé Marcos) no segundo disco intitulado O Marginal (1992). Morava com a parceira Maria Eugênia Vieira Martins, com a qual criava o filho Francisco (chamado carinhosamente de Chicão).

Em 13 de janeiro de 2001, Cássia Eller apresentou-se no Rock In Rio III, num show em que baião, samba e clássicos da MPB foram cantados em ritmo de rock. Neste dia, o organograma de apresentação foi o seguinte: R.E.M., Foo Fighters, Beck, Barão Vermelho, Fernanda Abreu e Cássia Eller; eles fizeram uma multidão de 190 mil pessoas delirarem – além da coincidência de o vocalista e guitarrista do Foo Fighters (ex-baterista do Nirvana), Dave Grohl, fazer aniversário no dia da apresentação, ser homenageado com um bolo trazido ao palco e um beijo da Cássia Eller – posteriormente, Dave Grohl declarou à imprensa que Cássia Eller e sua banda fizeram a melhor interpretação que ele conhecera até então da música “Smells Like Teen Spirit”, autoria sua com Kurt Cobain e Krist Novoselic, parceiros no Nirvana.

No ano de 2001 (de maio até dezembro) Cássia Eller fez 95 shows. Foi um ano bastante produtivo, que levou Cássia a gravar mais um grande trabalho nos moldes de sua preferência, um álbum (DVD) ao vivo: o Acústico MTV (2001), gravado em 07 e 08 de março, em São Paulo, no qual Cássia contou com o profissionalismo de uma equipe de altíssimo nível técnico e artístico, tais como [Nando Reis] (Direção Musical / Autoria, Voz e Violão em “Relicário” / Voz em “De Esquina” de Xis), os músicos da banda [Luiz Brasil] (Direção Musical / Cifras / Violões e Bandolim), Walter Villaça (Violões e Bandolim), Fernando Nunes (Baixolão), Paulo Calasans (Piano Acústico Hammond e Órgão Hammond), João Vianna (Bateria, Surdo, Ganzá, Ralador e Lâmina), Lan Lan (Percussão) e Thamyma Brasil (Percussão), os músicos convidados Bernardo Bessler(Violino), Iura(Cello), Alberto Continentino(Contrabaixo Acústico), Cristiano Alves(Clarinete e Clarone), Dirceu Leite(Sax, Flauta e Clarineta), entre muitos outros profissionais envolvidos. Este álbum foi composto por 17 faixas, acrescidas de Making Of, galeria de fotos, discografia e i.clip; as faixas são: 1. Non, je ne regrette rien (Michel Vaucaire/Charles Dumont), 2. Malandragem (Cazuza/Frejat), 3. E.C.T. (Nando Reis/Marisa Monte/Carlinhos Brown), 4. Vá Morar com o Diabo (Riachão), 5. Partido Alto (Chico Buarque), 6. 1º de Julho (Renato Russo composta em homenagem à Cássia Eller), 7. Luz dos Olhos (Nando Reis), 8. Todo Amor que Houver nessa Vida (Frejat/Cazuza), 9. Queremos Saber (Gilberto Gil), 10. Por Enquanto (Renato Russo), 11. Relicário (Nando Reis) com Participação Especial de Nando Reis, 12. O Segundo Sol (Nando Reis), 13. Nós (Tião Carvalho), 14. Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (John Lennon/Paul McCartney), 15. De Esquina (Xis com Participações Especiais de Xis e Tambores da Banda Nação Zumbi), 16. Quando a Maré Encher (Fábio Trummer/Roger Man/Bernardo Chopinho) e 17. Top Top (Os Mutantes/Arnolpho Lima Filho, o Liminha)

Faleceu em 29 de dezembro de 2001 por parada cardiorrespiratória, sem que a causa tenha sido determinada. A hipótese de overdose como causa da morte, apontada inicialmente, foi descartada pelos laudos periciais do Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro. Foi apontada então morte por erro médico, mas o inquérito foi arquivado pelo Ministério Público.

fonte

Eu assisti Cássia Eller, em Brasília, no Bom Demais, que ficava na quadra 700 e qualquer coisa da Asa Norte. Foi a época de ouro da música brasiliense, quando recém havia saído daqui a banda de Renato Russo, Legião Urbana, e outras bandas, como a Capital Inicial.

Quando da morte de Cássia Eller,  houve uma disputa sobre a guarda de Chicão, o filho dela com o músico Tavinho Fialho, que morreu em acidente de carro em 1993. A família de Cássia Eller acabou concordando que o menino ficasse sob os cuidados da companheira de Cássia Eller, Maria Eugênia.

Para fazer o download de discos da Cássia Eller, clique na imagem abaixo. (atualização: infelizmente o site “umquetenha” está fora do ar. Se alguém tiver notícias dele, favor compartilhar)

1994cassiaeller

A voz de Elis Regina

novembro 10, 2009

regina-elis1A segunda cantora homenageada aqui é a Elis Regina. Ela nasceu na capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre,  em 1945. Começou a carreira aos onze anos de idade em um programa de rádio para crianças chamado O Clube do Guri, na Rádio Farroupilha, apresentado por Ari Rego.

A “Pimentinha”, o “Furacão Elis”, como era chamada, lançou compositores como João Bosco e Aldir Blanc, Renato Teixeira, Fátima Guedes. A primogênita do casal Romeu Costa e Ercy Carvalho Costa foi a primeira pessoa a inscrever sua voz como instrumento na Ordem dos Músicos.

Em 1956, passou a integrar o elenco fixo do programa, Clube do Guri, da Rádio Farroupilha de Porto Alegre. Em 1959, assinou seu primeiro contrato profissional com a Rádio Gaúcha também de sua cidade natal.

Em 1965, venceu o 1º. Festival Nacional de Música Popular Brasileira (TV Excelsior) com “Arrastão” (Edu Lobo e Vinícius de Morais). Dois dias depois, estreou no Teatro Paramount (SP) o show “Elis, Jair e Jongo Trio”, que, gravado ao vivo, se tornou o LP “Dois na Bossa”. Com sucesso do disco, ela e Jair Rodrigues estrelaram o histórico programa semanal “O Fino da Bossa”.

O programa saiu do ar em junho de 1967, porém, Elis continuou ao lado de Jair Rodrigues nos três programas da série “Frente Única – Noite da MPB” (TV Record). Em dezembro, aos 22 de idade, casou-se com Ronaldo Bôscoli, 16 anos mais velho. Logo, nasceu seu primeiro filho, João Marcelo.

O casamento terminou em 1972 e, em 1974, casou-se com o pianista César Camargo Mariano. Viveu em São Paulo, onde nasceram: Pedro, em 1975; e Maria Rita, em 1977. Em 1981, separou-se de César.

Sua carreira internacional ficou mais importante a partir de 1968, quando cantou nas TVs inglesa, holandesa, belga, suíça e sueca. De volta à TV Record, em 1969, fez a série de programas “Elis Studio”, dirigida por Miéle e Bôscoli. Em maio, viajou para Londres, onde gravou um LP com o maestro inglês Peter Knight. Em junho, na Suécia, gravou um LP com o gaitista Toots Thielemans.

“Elis & Tom”, disco com Tom Jobim, saiu em 1974. Na inauguração do Teatro Bandeirantes (SP), cantou ao lado de Chico Buarque, Maria Bethânia, Tim Maia e Rita Lee. No ano seguinte, lançou “Falso Brilhante”, em disco e nos palcos, show que assistido por 280 mil pessoas.

Pela TV Bandeirantes, em 1979, demonstrou a sua intimidade com São Paulo em um programa no qual passeava pela cidade com Adoniran Barbosa e visitava Rita Lee. E participou do Show de Maio, com renda revertida para o fundo de greve dos metalúrgicos de São Paulo, no estúdio da Vera Cruz, em São Bernardo do Campo, para 5 mil pessoas.

Naquele ano, gravou “O Bêbado e a Equilibrista”, imediatamente apelidado de “Hino da Anistia”. No 13º Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, foi aplaudida por 11 minutos. Para agradecer a platéia, fez uma jam session com Hermeto Pascoal.

Em 1980, o show “Saudade do Brasil” reuniu no palco 24 músicos e bailarinos. No ano seguinte, fez o espetáculo “Trem Azul”, com cenário de Elifas Andreato.

Teve morte repentina, em 19 de janeiro de 1982, atribuída a uma overdose. Foi velada no Teatro Bandeirantes, e vestia a camiseta proibida pela ditadura militar no show “Saudade do Brasil”: a bandeira brasileira, com seu nome escrito no lugar de “Ordem e Progresso”.

A sua filha caçula, Maria Rita, que tinha cinco anos quando Elis morreu, começou a cantar aos 24 anos. Dona de um timbre de voz que lembra muito o de sua mãe, fez sucesso instantaneamente.

fontes aqui e aqui

Clique nas imagens para fazer o download de vários discos de Elis Regina (atualização: infelizmente o site “umquetenha” está fora do ar. Se alguém tiver notícias dele, favor compartilhar)

1984ElisLuz1969ElisReginainlondon

Estudantes talibãs em São Paulo

novembro 9, 2009

chador na av paulista

(por calcinha de cristal)

Duas coisas aumentam ainda mais minha revolta no caso da estudante que foi expulsa da universidade, depois de ter sido quase linchada, por ter ido à aula de minissaia.  Uma é sentir-me num país com rígidos códigos de como as mulheres devem se vestir, uma espécie de burca moral, como se de repente acordássemos num lugar cheio de talibãs fundamentalistas. Quem poderia imaginar tamanha demonstração de intolerância por aqui?

O segundo ponto é ver os mesmos estudantes que não se mobilizam para pedir a saída do Sarney, por exemplo, juntar-se como que empunhando tochas, a exigir a execução de uma bruxa.

Isso com certeza é um sintoma, mas ainda não sei do quê. Será que é por causa do pré-sal? O petróleo que ainda vamos explorar já nos subiu à cabeça? Nos transportou para o Afeganistão? Ou, pior ainda, terá nos levado para antes da revolução sexual, ou mesmo para a idade média?

Não, isso deve ser só um pesadelo. Um pesadelo coletivo. Vamos acordar, gente!

 

ATUALIZAÇÃO:

A UNIBAN (UNIversidade do taliBAN) aparentemente voltou atrás na decisão de expulsar a estudante. Estamos começando a acordar. Infelizmente, ainda vemos alguns alunos vaiando a manifestação contrária à expulsão. Devem ser os mesmos que humilharam a moça. O que derruba a teoria de que eles agiram por um impulso coletivo, no chamado efeito manada, o mesmo que faz com que pessoas normais se envolvam num linchamento. Estas novas vaias mostram que não foi um momento impensado. Eles realmente são fundamentalistas.

Verdes do emagrecimento

novembro 8, 2009

Caras leitoras e leitores,

Hoje resolvi não colocar nenhuma receita e escrever sobre os verdes que nos ajudam a emagrecer e a nos deixar saudáveis!

Vocês sabiam que a alface-americana quase não contém fibras, vitaminas e minerais? É barata e abundante em qualquer feira ou supermercado, contudo não passa de ser crocante e ocupar espaço no nosso estômago, dando a impressão de satisfação.

Se pretendemos saborear uma salada, é melhor que ela tenha personalidade.

alface-romanaAlface-romana: é uma das melhores fontes de betacaroteno. Os níveis elevados de betacaroteno em nosso organismo inibem o crescimento das células de câncer na próstata em 50%.

Rúcula: suas folhas têm um mineral que desenvolve os ossos. Ela também possui um pouco de magnésio, o que proporciona uma proteção adicional contra a osteoporose.

Agrião: funciona como um filtro para o corpo. Seus fitoquímicos podem evitar que a fumaça do cigarro e outros poluentes no ar causem câncer de pulmão.

Endívia: é um pouco amarga e um pouco crocante. Contém fibras e ácido fólico. Pessoas que não ingerem o suficiente dessa vitamina B essencial podem ter um risco 50% maior de desenvolver doenças cardíacas.

MostardaMostarda: esse condimento picante contém o aminoácido tirosina que melhora consideravelmente a memória e a concentração.

Espinafre: é uma grande fonte de luteína e zeaxantina, dois poderosos antioxidantes que protegem a vista do desgaste causado pela velhice.

verd_rabanoRábano: seu sabor parece uma mistura de repolho e nabo. Cada porção dessa raiz supre quase 25% da necessidade diária de potássio (que ajuda a manter a pressão sob controle), além de conter glicosinolato, um fitoquímico que previne alguns tipos de câncer.

Se há alguém que destesta vegetais, pode aprender a camuflá-los na comida e ainda assim colher seus benefícios. Experimente prepará-los como purê ou acompanhá-los com molhos. Quanto mais picados e amassados (purê), mais invisíveis se tornam e mais facilidade terá o corpo de absorvê-los.