Posts Tagged ‘casamento’

Ela casou-se consigo

novembro 21, 2010

(por Calcinha Exocet)

 

Deu na mídia no final de outubro. Uma mulher de Taiwan casou-se consigo. Cansada de esperar um pretendente, contratou bufê, convidou gente e realizou uma cerimônia de casamento. A Lua de Mel será na Austrália.

Eu e umas amigas morremos de rir ontem, imaginando os desdobramentos deste casamento. Primeiro problema que surge: Como se divorciar de si? Aliás, antes disso, se a gente brigar consigo: Hoje você dorme no sofá! ou então: não quero nem saber vou para casa da mamãe, e não me siga!

Mas aí, em vez de ir para a casa da mãe, encontra com as amigas num bar e, ao se olhar no espelho para passar baton, grita: O que você está fazendo aqui! Me deixa em paz! Eu não aguento mais olhar na sua cara, me esquece!

A relação vai piorando até que, com base na Lei Maria da Penha, você consegue uma liminar determinando que não pode se aproximar mais do que duzentos metros de si. E acaba presa, por desrespeitar a ordem judicial.

É, casar-se consigo é muito arriscado.

No ano passado, uma mulher de 29 anos casou-se, em Ghana, com um cachorro. Disse que há muitos anos procurava um homem com as qualidades do pai: ser gentil,  fiél e leal à sua mãe, a quem nunca abandonou. Parece que todos os homens que passaram pela vida da noiva fizeram cachorradas. Então ela descobriu que seu cachorro seria o parceiro ideal. Pelo menos, neste caso, o divórcio será mais fácil. Mas discutir a relação…

Infidelidade masculina

dezembro 30, 2009

Psicóloga francesa defende infidelidade masculina para ajudar o casamento

Uma das mais famosas psicólogas francesas causou polêmica ao defender, em um livro recém-lançado, que a infidelidade masculina é boa para o casamento.

No livro Les hommes, l’amour, la fidélité (“Os homens, o amor, a fidelidade”), Maryse Vaillant diz que a maioria dos homens precisa de “seu próprio espaço” e que para eles “a infidelidade é quase inevitável”.

Segundo a autora, as mulheres podem ter uma experiência “libertadora” ao aceitarem que “os pactos de fidelidade não são naturais, mas culturais” e que a infidelidade é “essencial para o funcionamento psíquico” de muitos homens que não deixam por isso de amar suas mulheres.

Para Vaillant, divorciada há 20 anos, seu livro tem o objetivo de “resgatar a infidelidade”. Segundo ela, 39% dos homens franceses foram infiéis às mulheres em algum momento de suas vidas.

Fraqueza de caráter

“A maioria dos homens não faz isso por não amar mais suas mulheres. Pelo contrário, eles simplesmente precisam de um espaço próprio”, diz a psicóloga.

“Para esses homens, que são na verdade profundamente monógamos, a infidelidade é quase inevitável”, afirma.

Para Vaillant, os homens que não têm casos extraconjugais podem ter “uma fraqueza de caráter”.

“Eles são normalmente homens cujo pai era fisicamente ou moralmente ausente. Esses homens têm uma visão completamente idealizada da figura do pai e da função paternal. Eles não têm flexibilidade e são prisioneiros de uma imagem idealizada das funções do homem”, afirma ela.

fonte BBC Brasil

Calcinha Comestível: Não concordo de jeito nenhum! Como um homem que fica na rua feito um gato vira-lata pode ser um bom marido? Como isso poderia ajudar a relação? Acho que a autora do livro está forçando a barra. Ela deve ter tido uma experiência ruim e agora, num processo de negação psicológica, deve estar tentando justificar o fracasso do próprio casamento. Sei lá, estou exagerando?

Calcinha Exocet: Não conheço nenhuma mulher que seja feliz tendo um marido infiel, a não ser que ela também pratique a infidelidade.

Calcinha de Oncinha: Como no filme Divã, a personagem acha que o marido deve ter uma experiência fora do casamento e ela própria também se permite ter, mas o casamento não fica melhor por isso, ao contrário, acaba. Num relacionamento tudo é relativo.

Homem ao volante

agosto 3, 2009

homem na direção